Projecto de dissertação do segundo ano do curso Comunicação Multimédia na vertente de Multimédia Interactivo da Universidade de Aveiro.
pesquisar neste blog
posts recentes

Apresentação do Plano de Investigação

Modelo de análise - nova versão

Cronograma

Índice - Enquadramento Teórico

Modelo de análise

Arquitectura do sistema de análise

Metodologia(s) que neste momento considero mais adequada(s)

Pergunta de investigação

Teorias & áreas/autores

How B|P Researched Spore (Actividade PD)

arquivos

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Quinta-feira, 21 de Outubro de 2010
How B|P Researched Spore (Actividade PD)

Antes de mais, tenho a dizer que adorei este tema, visto que este está de certa forma relacionado com a minha dissertação de Mestrado. Pois tanto eu como a equipa de investigação Bolt|Peters pretendemos analisar um videojogo através de meios tecnológicos e por abordagens pouco exploradas.

bolt|peters blog: http://boltpeters.com/blog/how-bp-researched-spore/

 

Bolt|Peters deparam-se com o problema de analisar/testar o videojogo Spore, um jogo lançado em 2008 cuja temática principal se baseia na evolução da vida na Terra (desde as pequenas células na água, até ao limiar da inteligência da espécie criada pelo jogador).

 

Normalmente a metodologia usada para este tipo de análises/testes centra-se em Focus Groups. Mas segundo a B|P, no qual eu concordo plenamente, este tipo de metodologia "não vale nada", porque nada é feito com naturalidade. Os beta testers são "obrigados" a seguir um rígido processo de análise, onde por hábito têm sempre alguém a trás a espreitar e a tirar apontamentos do que eles estão a fazer e da forma como reagem com o jogo. Desta forma os beta testers encontram-se numa situação de "perseguição" pelos investigadores, e por vezes as suas reacções, acções e atitudes não são desempenhadas com naturalidade, tornando assim uma análise de baixa fiabilidade, comprometendo os seus resultados.

 

A Bolt|Peters optou por deixar de parte a metodologia baseada em "Focus Groups", para criar a sua própria abordagem metodológica.

Esta nova abordagem assenta numa ideologia baseada num ambiente muito semelhante com um típico local de jogo com umas cadeiras, mesas, portáteis, etc. Esse local denominou-se de SNERD (Simulated Native Environment Research Division), com um background tecnológico que pôde suportar as necessidades dos investigadores, como por exemplo internet de alta velocidade, equipamento necessário para gravar os jogadores pela web cam e respectivo som pelo TeamSpeak (gravar expressões momentâneas dos jogadores enquanto jogavam), etc.

Ainda nesta nova metodologia, os beta testers têm um tempo flexível para testar o jogo e estes não se encontram no mesmo local que os investigadores, mas sim nas suas casas ou locais de trabalho (podendo estar à vontade, agir de forma natural, sem receberem instruções do que devem fazer no jogo, ou serem "perseguidos" pelos observadores/investigadores).

Recorreu-se também à tecnologia PENS (Player Experience of Need Satisfaction), para a recolha de dados de questionários através de um ecrã táctil substituindo o tradicional papel e caneta (dados quantitativos). Facilitando assim a vida aos beta testers, podendo estes, "quando quisessem", fazer uma pausa no jogo e preencher o questionário (em menos de 2 minutos).

 

O facto de gravarem (vídeo, áudio) durante 6 horas em 2 noites a cada jogador, acabou por se tornar um trabalho dispendioso em termos de tempo para a sua análise. Para além do tempo necessário para tirar notas enquanto o beta tester jogava Spore. Mas em compensação os resultados sempre foram mais viáveis, tendo em conta que os beta testers agiram de forma natural enquanto jogavam.

 


tags: , , ,

publicado por celsosoares às 23:34

mais sobre mim
Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSComentários do post

links